TJ manda soltar jovem que matou travesti atropelada em VG

Por D.D.ANDRE 21/12/2017 - 01:24 hs

A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) decidiu, por unanimidade, mandar para a prisão domiciliar Thiago Marques Tapajós, de 28 anos, acusado de atropelar e matar no dia 23 de junho de 2017 a travesti Natália Pimentel, de 22 anos, na região conhecida como “Zero KM”, em Várzea Grande. A decisão foi proferida em sessão desta terça-feira (19).

A defesa do réu alegou no pedido de conversão de prisão preventiva para prisão domiciliar que o réu sofre de miocardiopatia dilatada - doença cardíaca grave, que impede o bombeamento eficaz do sangue para o restante do corpo. O advogado afirmou que “só um transplante” pode curar a enfermidade e que a unidade prisional onde ele se encontra não reúne as condições necessárias para oferecer o tratamento adequado em episódios de crise. O relator do pedido, o desembargador Marcos Machado, concedeu o benefício.

“Uma perícia por parte do SUS demandaria por conta do final de ano, retarda isso por um mês ou mais. Eu queria compartilhar essa posição com vossas excelências. Vou conceder a ordem voltando ao regime de prisão domiciliar, advertindo que a violação já geraria sua prisão novamente”, disse o desembargador.

Marcos Machado, porém, fez críticas ao comportamento do réu, dizendo que o crime contra a travesti ocorreu durante uma violação de prisão domiciliar, fato que fez com que Thiago atropelasse “covardemente” Natália Pimentel. “A razão porque estava mantendo a prisão [...] Ele havia sido colocado em regime de prisão domiciliar, descumpriu a prisão e atropelou covardemente o homossexual”, disse o magistrado.

A defesa disse ainda que o juiz de primeira instância que conduz o caso reconheceu a gravidade da doença e determinou que a Politec realizasse uma perícia para avaliar as condições de saúde de Thiago Pimental. Porém, o órgão público de segurança se recusou a fazer o procedimento. O réu ainda teria tido uma crise recentemente, sendo necessária sua reanimação, além de encaminhamento a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Marcos Machado também ressaltou que foi surpreendido com as informações, dizendo que iria confiar nas palavras do advogado do réu. “Esse é o grande problema da surpresa por conta de situações pontuais. Eu quero confiar na boa fé de vossa excelência”.

Seu voto foi seguido pelos outros dois desembargadores da Primeira Câmara Criminal, Orlando Perri e Paulo da Cunha.

O CASO

Apontado como autor do crime, Thiago Marques Tapajós, 28, teve a ordem de prisão cumprida pela equipe da DHPP coordenada pelo delegado Flávio Henrique Stringueta. Ele foi localizado em casa, no Residencial Francisca Loureiro Borba, no bairro Osmar Cabral, em Cuiabá. O suspeito foi reconhecido por duas testemunhas que presenciaram o atropelamento.

O crime aconteceu no dia 23 de junho, tendo como vítima a travesti, Thiago Assunção da Costa Corrêa, 22, conhecida como Nahália Pimentel. Na ocasião, a vítima e outra travesti estavam na rua a espera de clientes para programa sexual quando foram abordadas por um homem em um veículo Volkswagem Gol, prata, por volta das 07h30.

A travesti não aceitou a proposta do suspeito e saiu do local, seguindo para outra esquina junto a sua colega. Neste momento o suspeito acelerou o carro e atropelou intencionalmente a vítima e em seguida fugiu. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no dia 25 julho, em decorrência do atropelamento.

A ocorrência foi inicialmente atendida pela Delegacia de Trânsito (Deletran), porém, após ficar confirmada a intenção da vítima, o caso passou a ser investigado pela DHPP, que passou a trabalhar na identificação do suspeito. Durante os trabalhos, foram realizadas diversas diligências e oitivas de testemunhas que levaram a identificação das características físicas do autor do crime.