Algoz no clássico: veja por que Gabigol não acertou com o São Paulo

Por LUCAS DE OLIVEIRA 20/02/2018 - 00:34 hs

Gabriel foi o grande personagem do San-São do último domingo, no Morumbi. O atacante fez o gol da vitória santista por 1 a 0. Se dependesse da vontade de pessoas do clube da capital, o hoje camisa 10 do Peixe poderia estar no lado do Tricolor.

São Paulo estudou e tentou a contratação de Gabriel para a temporada 2018. Entre o fim de 2017 e o começo desta temporada, o nome era comentado nos bastidores do clube do Morumbi.

O Tricolor entrou em contato e negociou com o estafe do atleta, mas Gabriel priorizou o retorno ao Santos pela identidade com o clube da Vila Belmiro.

O presidente do Santos, José Carlos Peres, se empenhou pessoalmente na negociação pois conheceu Gabriel e a família quando o ainda garoto tinha nove anos. Coincidentemente, quando era criança, o atacante jogou futsal pelo São Paulo, mas acabou no clube alvinegro.

Gabigol e Dorival Júnior se cumprimentam antes do San-São (Foto: Reprodução/Santos TV) Gabigol e Dorival Júnior se cumprimentam antes do San-São (Foto: Reprodução/Santos TV)

Gabigol e Dorival Júnior se cumprimentam antes do San-São (Foto: Reprodução/Santos TV)

Havia no Tricolor a impressão de algumas pessoas de que Gabriel não retornaria ao futebol brasileiro. No mercado, o São Paulo contratou os atacantes Diego Souza, Tréllez e Valdívia para o setor ofensivo, além do meia Nenê.

Neste ano, Dorival pediu a contratação de atacantes de lado de campo. Valdívia, o último reforço do clube para a temporada, é o único nome novo com essa característica, além dos garotos da base.

Gabriel trabalhou com o técnico Dorival Júnior, atual comandante do Tricolor, em sua outra passagem pelo Santos, entre 2015 e 2016. Os dois conquistaram juntos o título paulista de 2016 – Marcelo Fernandes dirigiu o time na conquista de 2015.

Antes do clássico, todos os jogadores do Santos foram ao banco do São Paulo para cumprimentar Dorival e o auxiliar Lucas Silvestre. Gabriel deu um longo abraço no comandante.

Nos primeiros minutos de jogo, quando pegava na bola, o atacante era vaiado pelos mais de 36 mil torcedores tricolor presentes no Morumbi.