Universitária morre com suspeita de Guillain-Barré

Por LUCAS DE OLIVEIRA 22/03/2018 - 23:31 hs

Uma estudante de agronomia morreu nessa quarta-feira (20) no Pronto-Socorro de Cuiabá, com suspeita da síndrome de Guillain-Barré, doença autoimune que afeta o sistema nervoso e causa a perda de movimentos do corpo. Amanda Soares de Oliveira Silva, de 20 anos, passou 44 dias internada.

A jovem cursava agronomia na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), em Tangará da Serra, a 242 km da capital.

O pai dela, Valdecir Soares, afirmou que a filha sentia fortes dores nos braços e pernas e sentia dificuldades para se equilibrar.

"Ela tinha dores nos braços e pernas e um dia foise sentar no sofá e caiu porque perdeu os movimentos", disse.

A família tentou realizar o tratamento da jovem em Tangará da Serra, no entanto, não havia um médico especialista na doença que atendia pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

"Eu perdi a minha filha porque não tinha nenhum médico que atendia pelo SUS. Ela poderia estar aqui comigo, caso houvesse um neurologista", reclamou.

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou que ela morreu por complicações da síndrome.

O secretário municipal de Saúde, Itamar Bonfim, disse que o município não possui médicos neurologistas, mas alegou que o encaminhamento ao Pronto- Socorro da capital foi feito corretamente.

Segundo Itamar, não tem previsão para contratar novos médicos especialistas para atender pelo SUS.

A Guillain-Barré é uma doença neurológica considerada muito rara e afeta o sistema nervoso. O principal sintoma é a fraqueza muscular. A paralisia pode começar pelos pés e subir pelo corpo, chegando até o rosto. Em casos mais graves, pode afetar o diafragma e levar à morte.

A doença costuma aparecer após um quadro de infecção. O organismo reage e produz anticorpos para se proteger. Porém, no caso da Guillain-Barré, os anticorpos atacam a mielina, a membrana que reveste as fibras nervosas, de acordo com o médico Lidioney Siqueira.