Chapa de Taques em busca pela reeleição se define

Por D.D.ANDRE 21/07/2018 - 15:03 hs

Definido. Pelo menos na cabeça do governador Pedro Taques (PSDB), ele contará com Nilson Leitão (PSDB), Adilton Sachetti (PRB) e Selma Arruda (PSL) na chapa em busca pela reeleição ao governo do Estado. Nessa composição, porém, nem Sachetti, nem Selma sabem qual cargo disputarão. A ambos o grupo liderado pelo tucano teria oferecido uma das duas vagas ao Senado. A outra, em tese, está garantida para o correligionário do governador.

Semanas atrás, Taques propôs para a juíza aposentada que disputasse o Senado em seu palanque e ela teria aceitado. Porém, com o indicativo de que na chapa do seu ex-aliado, Mauro Mendes (DEM), a última vaga ao Senado seria do ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) e não de Adilton Sachetti, o governador também teria feito o mesmo convite ao deputado federal, que nos últimos dias teria sinalizado a pessoas próximas que vai aceitar.

Nos bastidores, aliados do governador afirmam que a ideia é um dos dois - ou Selma ou Sachetti - acabe aceitando uma proposta que também já foi feita, mas rejeitada por ambos: disputar o cargo de vice. 

Para Sachetti, Taques chegou a propor, pela segunda vez, a vaga de vice-governador, com o compromisso de apoiá-lo em 2022 ao governo do Estado. Com a negativa do deputado, teria dito que informou o presidente regional do PSL, deputado federal Victório Galli, que a vaga de vice acabaria ficando para Selma Arruda e não recebeu contestação da parte de Galli.

A reportagem de A Gazeta, Selma disse que tem se reunido com Sachetti para conversar sobre o assunto. Até admitiu a possibilidade de recuar do Senado e se candidatar a deputada federal ou estadual, mas defendeu que Sachetti ‘seria o melhor vice que Mato Grosso poderia ter’.

‘Embora eu entenda que o Taques convidou primeiro o Sachetti, eu acho que ele seria o melhor vice. Falo isso, não de forma pejorativa, mas porque eu morei em Rondonópolis e tenho parentes lá. Todos sabem do bom governo que foi feito pelo Sachetti’, elogiou.

Chico Ferreira

A possibilidade de Selma tentar a Câmara dos Deputados ou a Assembleia Legislativa foi aventada por Jayme Campos (DEM).

Há cerca de duas semanas, a ex-juíza recebeu convite de Mauro Mendes (DEM) para ser candidata em seu grupo. Na oportunidade, ouviu de Jayme a oferta de um lugar entre as candidaturas proporcionais.

‘Eu posso recuar para federal ou estadual’, admitiu. ‘Quando eu entrei na política, muitos diziam que ser eleita ao Senado é como ir para o céu. Não tenho essa vaidade’, concluiu. Sachetti, no entanto, faz questão do cargo e já teria deixado claro ao governador que sua saída do grupo de Mendes só ocorreu porque sua vaga tinha sido preenchida por Fávaro.