Connect with us

POLÍCIA

Investigado pela Polícia Civil por matar e ocultar corpo de usuário de drogas é condenado a 27 anos de prisão

Publicado

em

O autor de um homicídio em Cuiabá, há quatro anos, que confessou a autoria à Polícia Civil dois anos após o crime, foi condenado nessa sexta-feira (21.06), em sessão do tribunal do júri na Comarca da capital, a 27 anos de prisão.

Wanderson Damião Silva de Jesus, de 33 anos, recebeu penas pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e integração de organização criminosa. A decisão do juiz Pierro de Faria Mendes ratificou a prisão preventiva e negou pedido da defesa para que o réu responda ao processo em liberdade.

O crime, conforme confissão do réu à equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá, ocorreu em janeiro de 2020, mas a ossada da vítima foi localizada apenas em junho de 2022, após a Polícia Civil receber uma denúncia. A vítima era conhecida apenas pelo apelido de ‘paulista’.

Wanderson tem antecedentes criminais, com duas condenações transitadas em julgado, ambas pelo delito de roubo.

Ossada e homicídio

Em junho de 2022, a equipe da DHPP localizou uma ossada humana, na região da ponte de ferro no distrito do Coxipó do Ouro, em Cuiabá. A delegacia recebeu uma denúncia de que havia uma ossada em uma estrada vicinal do distrito e era, possivelmente, de uma vítima de homicídio.

A equipe do delegado Caio Fernando Albuquerque realizou diligências no local para recolhimento dos restos mortais, sendo possível identificar partes como os ossos da bacia, costelas, fêmur e maxilar. A região onde o corpo da vítima estava é apontada em outras investigações policiais como um local de homicídios ou desova de cadáveres.

Outras informações coletadas pelos policiais levaram à localização de um dos envolvidos no crime, investigado pela DHPP por envolvimento em homicídios na região da Ponte de Ferro.

O investigado Wandersn Jesus confirmou à equipe policial sobre a ossada e que tinha envolvimento no homicídio, além de apontar mais uma pessoa como comparsa no crime.

À época, ele foi preso em flagrante pelo crime de ocultação de cadáver e integração de organização criminosa. O flagrante foi convertido em prisão preventiva.

Wanderson detalhou aos policiais civis que o homicídio ocorreu em janeiro de 2020, em uma residência que ele alugava junto com o comparsa, na Vila Rosa, região do bairro CPA 3, usada para o tráfico de drogas. Na noite do crime, a vítima, apenas conhecida pelo apelido de ‘Paulista’ e que era monitorada por tornozeleira eletrônica, chegou à residência para comprar drogas. No local também estava outra pessoa, que comentou que a vítima seria integrante de uma facção criminosa paulista.

Então, o comparsa de Wanderson entrou em contato com presos na Penitenciária Central do Estado, passou a foto da vítima pedindo orientação sobre o que deveria ser feito e recebeu a ordem para executar ‘Paulista’.

Em seguida, os criminosos amarraram a vítima pelos pés e mãos e a enforcaram. Após a vítima desmaiar, foi estrangulada e espancada, mesmo já morta. Os executores aguardaram até a meia-noite e, depois, levaram o corpo ao ponto da desova, no Coxipó do Ouro.

Os dois criminosos retornaram ao local onde o corpo foi desovado, cerca de 30 dias depois. A área tinha sofrido uma queimada, então eles pegaram as partes dos ossos e jogaram para dentro do mato, com a intenção de dificultar as buscas.

O homem preso pela DHPP informou ainda que o outro comparsa já teria falecido, também vítima de homicídio.

“Ele confessou, em detalhes, tanto o homicídio quanto a ocultação de cadáver, delatou o comparsa e foi muito claro sobre a motivação ao dizer que o crime foi cometido pelo fato da vítima supostamente ser de outra facção e que o aval para o homicídio deu-se após decreto de lideranças em estabelecimento prisional”, explicou o delegado Caio Fernando.

A vítima não foi identificada, uma vez que Wanderson não soube informar o nome completo dela e tampouco os restos mortais permitiram chegar a essa informação. Somente um exame de DNA poderá comprovar a identidade.

Fonte: Policia Civil MT – MT

Continue Lendo

POLÍCIA

Polícia Civil prende mulher por participação em golpe de R$ 21 mil contra idoso

Publicado

em

Por

Uma mulher foi presa nesta sexta-feira (12.07), em Cuiabá, pela equipe da Delegacia Especializada de Estelionatos e Outras Fraudes por envolvimento em um golpe que causou um prejuízo de mais de R$ 20 mil contra um idoso.

A vítima procurou a delegacia na terça-feira e relatou que tomou conhecimento de um empréstimo em seu nome, no valor de R$ 21,1 mil, para ser pago em 84 parcelas de R$ 494,20, o que totaliza quase o dobro do valor emprestado.

O idoso, de 67 anos, relatou que no mês de maio duas pessoas que se passavam por funcionários do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), com supostos crachás de identificação, foram até sua residência e solicitaram dados pessoais, fazendo inclusive imagem da CHN dele e alegando que as informações eram necessárias para prova de vida.

Nesta semana, a vítima descobriu a fraude, com o empréstimo feito por meio de uma conta criado no PagBank, sendo pulverizado e transferido via Pix para várias contas.

Após a Delegacia de Estelionatos receber a denúncia do golpe, a equipe policial iniciou as diligências e conseguiu identificar a dona de uma das contas que recebeu os valores. A mulher de 48 anos, moradora do bairro Bela Vista, recebeu a quantia de oito mil reais.

A suspeita de envolvimento no golpe informou aos policiais que vendeu a conta por R$ 300 para uma pessoa fazer a transferência dos valores. Ela foi autuada em flagrante por estelionato e encaminhada à Justiça.

O delegado Bruno Mendo Palmiro explicou que a investigação prossegue para identificar a dupla que fez o contato com o idoso, assim como os demais participantes do golpe que receberam os valores.

“Geralmente, os golpistas, trajando uniformes e crachás falsos, chegam às casas de pessoas vulneráveis, como idosos, alegando que estão a serviço do órgão e solicitando documentos pessoais, depois usados de forma fraudulenta. Por isso é sempre prudente entrar em contato com o órgão e verificar se é este o procedimento, por exemplo, para a prova de vida, no caso de beneficiários do INSS”, alerta o delegado.

Orientações

A Polícia Civil de Mato Grosso alerta a população sobre o que fazer quando perceberem que foram vítimas de crimes que impliquem a transferência de dinheiro via PIX, TED e/ou pagamento de boletos. A vítima deve agir rápido para que seja possível recuperar totalmente ou parcialmente os valores transferidos.

1) Ligue no telefone 0800 ou similar da instituição financeira (banco físico ou virtual, cooperativa, instituição de pagamento etc.), de cuja conta foi realizada a transferência ou pagamento para os criminosos e conteste a transação para fins de reembolso;

2) Verifique se, no aplicativo bancário, há a funcionalidade de contestar transferência ou pagamento efetuado, e conteste-o;

3) Registre o boletim de ocorrência e informe os detalhes do fato (exemplo: site ou perfil de rede social utilizado pelos criminosos, contas bancárias e/ou chaves PIX indicadas etc.)

4) Pode ser feito o pré-registro do boletim de ocorrência por meio do site da delegacia virtual: https://portal.sesp.mt.gov.br/delegacia-web

5) Compareça, presencialmente, à agência da instituição financeira na qual possui a conta para apresentar o boletim de ocorrência ao gerente da conta para:

  • abrir o “Mecanismo Especial de Devolução” – MED (nos casos de PIX); ou

  • registrar a contestação administrativa para a repatriação de valores (nos casos de TED, pagamento de boletos etc).

Fonte: Policia Civil MT – MT

Continue Lendo
WhatsApp Image 2024-03-04 at 16.36.06
queiroz

Publicidade

Câmara de Vereadores de Porto Esperidião elege Mesa Diretora