Connect with us

POLÍCIA

Acadepol abre processo seletivo para tutores da rede de ensino a distância

Publicado

em

A educação continuada é um pilar fundamental para o desenvolvimento e a atualização constante dos profissionais em qualquer área, especialmente na Polícia Civil, onde a atualização e o aperfeiçoamento contínuo são essenciais para a execução eficiente de suas funções. No contexto do Estado de Mato Grosso, a implementação eficaz da educação a distância (EaD) para policiais civis, especialmente aqueles em localidades remotas, é não apenas uma necessidade, mas um direito assegurado por diversas legislações.

Com a Lei Complementar nº 407/2010, que estabelece o Estatuto da Polícia Civil, junto com a Resolução nº 107/2023, que regulamenta a Rede de Ensino à Distância, torna-se imperativo o estabelecimento de normas claras e rigorosas para o processo seletivo de tutores e conteudistas que atuarão no EaD/PJC. Essas normativas devem estar alinhadas também com a Lei Complementar nº 393/2010, que trata da Lei de Ensino da Polícia Judiciária Civil, e com a legislação federal Lei nº 8.151/2004 e a Lei nº 8.666/93, garantindo transparência, qualidade e eficiência no processo.

A Instrução Normativa nº 07/2018/SESP/MT já aponta para a necessidade de uma gestão eficaz e eficiente no que tange à seleção de pessoal, especialmente em um modelo educacional que demanda não apenas conhecimento específico, mas também competências pedagógicas ajustadas ao ensino a distância. A seleção criteriosa de tutores e conteudistas deve atender ao princípio da Eficiência da Administração Pública, assegurando que o investimento em educação continuada gere retornos significativos em termos de qualificação profissional.

É vital que a seleção desses profissionais atenda a critérios rigorosos de competência, experiência e adequação ao meio digital, garantindo que a educação continuada alcance seu objetivo de promover o desenvolvimento profissional contínuo, especialmente para aqueles em regiões de difícil acesso no Mato Grosso. Isso permitirá que todos os policiais civis, independentemente de sua localização, tenham igualdade de acesso à atualização e ao aperfeiçoamento, cumprindo assim com o compromisso de uma segurança pública mais qualificada, eficiente e alinhada às demandas contemporâneas.

Portanto, urge a definição e a implementação de um marco regulatório sólido para o processo seletivo de tutores e conteudistas em EaD na área de segurança pública, assegurando que o princípio da eficiência administrativa e a qualidade da educação oferecida sejam mantidos em alto padrão, contribuindo para a elevação da qualidade do serviço prestado pela Polícia Civil em todo o estado de Mato Grosso.

Anexo I – área temática  Baixar
Anexo II – Fluxograma EAD  Baixar
Anexo III – Modelo para proposta de projeto de curso  Baixar
PORTARIA ADMINISTRATIVA Nº 2024.10.5216  Baixar
Publicação Resolução nº 107-2023-CSP – Minuta Ensino a Distancia EAD  Baixar

Fonte: Policia Civil MT – MT

Continue Lendo

POLÍCIA

Polícia Civil cumpre buscas para apreender celulares de investigados como mandantes da morte de advogado

Publicado

em

Por

A equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa cumpriu um mandado de busca e apreensão na residência de um casal investigado como mandante da morte ado advogado Roberto Zampieri, ocorrida em dezembro passado.

A ordem judicial foi cumprida na última sexta-feira (12.04), em um endereço do casal na cidade de Rondonópolis. Foram apreendidos celulares dos investigados, porém, os policiais da DHPP apuraram que o casal já havia trocado os aparelhos que são distintos daqueles usados por eles na época do homicídio do advogado.

Após a busca e apreensão em Rondonópolis, o casal foi encaminhado à DHPP em Cuiabá para interrogatório, contudo, utilizaram o direito constitucional de permanecer em silêncio.

Durante as oitivas, os advogados dos investigados apresentaram o aparelho celular de E.B. que era o utilizado por ela na época do homicídio. Porém, o aparelho do marido dela não está mais com o investigado.

O delegado Nilson André Farias, responsável pelas investigações, pontuou que o comportamento do casal é mais um indício de que ambos são mandantes do homicídio.

A DHPP continua com outras oitivas e conforme prova testemunhal no inquérito, a área objeto da disputa que o casal estava perdendo para o advogado Roberto Zampieri, que representava a parte adversária, está avaliada R$ 100 milhões.

A investigação apontou ainda que a família dos investigados estava em posse da fazenda há aproximadamente 20 anos, mas havia uma discussão em relação ao título de propriedade da área. Quando o casal percebeu que poderia perder a terra e acreditando, em virtude de uma proximidade da vítima com quem competia decidir a causa agrária, decidiu contratar uma pessoa para executar Roberto Zampieri.

O casal permanece em cumprimento de medidas cautelares, com monitoramento de tornozeleira eletrônica.

Fonte: Policia Civil MT – MT

Continue Lendo
WhatsApp Image 2024-03-04 at 16.36.06
queiroz

Publicidade

Câmara de Vereadores de Porto Esperidião elege Mesa Diretora